Rafael Braga – No Semiaberto o Inferno Continua

No dia 21.10.14 (3ª.) Rafael iniciou o cumprimento da sua injusta condenação no regime semiaberto admitido em um escritório no Centro do Rio como auxiliar de serviços gerais. Foi seu primeiro dia de trabalho. Algum incauto poderá pensar: “Que bom, agora está livre”. Nada mais falso. A vida no semiaberto permanece um inferno. Se não vejamos:

Ele sai do presídio pela manhã e recolhe-se a um escritório com horário rígido fiscalizados pelo juízo. O controle é total. À noite, retorna ao encarceramento nele permanecendo nos fins de semana e feriados, santos ou não. Não há Natal, Ano Novo ou Finados. A possibilidade de ausência do trabalho para qualquer atividade é nula. O menor deslize provoca à regressão ao regime fechado reconduzindo-o ao suplício das masmorras. Não há privilégio, condescendência ou tolerância para datas festivas, aniversários, casamentos ou batizados. Em caso de falecimento de familiares sua presença no sepultamento está condicionada à boa vontade da justiça responsável pelo seu drama. Ou seja, Rafael estava preso e, dadas as limitações impostas, preso continuará.

Por isso, permaneceremos lutando pela revisão da absurda pena de 4 anos e 8 meses que lhe aplicou o carrasco Des. Roboredo . Queremos a total absolvição. A progressão para o regime semiaberto poderá provocar uma ilusão de liberdade, mas ela é apenas isso mesmo: ilusão. Rafael foi vítima de uma injustiça e deve ela ser reparada. A injustiça em um lugar é uma ameaça à justiça em todos os lugares.

Anúncios